28 de fev de 2012

Resenha: A Arma Escarlate (Renata Ventura)

ISBN: 9788576795445
549 páginas

Classificação:

Capa: 10
Conteúdo: 10
Diagramação: 8,5


Sinopse: O ano é 1997. Em meio a um intenso tiroteio, durante uma das épocas mais sangrentas da favela Santa Marta, um menino de 13 anos descobre que é bruxo.Jurado de morte pelos chefes do tráfico, Hugo foge com apenas um objetivo em mente: aprender magia o suficiente para voltar e enfrentar o bandido que está ameaçando sua família. Neste processo de aprendizado, no entanto, ele pode acabar descobrindo o quanto de bandido há dentro dele mesmo.



Desde a primeira vez em que ouvi falar desse livro, senti uma grande curiosidade sobre ele. Na época, só haviam comentários sobre o lançamento do “Harry Potter brasileiro” como as pessoas costumavam chamar, e isso me intrigou muito. Depois que pesquisei mais sobre o livro, acabei com a mesma pulguinha atrás da orelha que impulsionou a autora a escrever essa maravilhosa estória: Como seria uma escola de magia do Brasil? Provavelmente não teria nada a ver com o castelo de Hogwarts. Nem mesmo os bruxos conseguem escapar da corrupção e da má distribuição de renda que assolam nosso país.

A Arma Escarlate conta a história de Idá, ou Hugo, um menino da periferia que cresceu no meio de toda a violência e descaso que existiam (e ainda hoje existem) nas favelas do Rio de Janeiro. Esqueça o bruxinho órfão que só faz o que é certo, esqueça o professor vilão que no fundo é bonzinho, e esqueça o vilão que no fundo sofria apenas de “falta de amor”, A Arma Escarlate vai muito além nisso. Nesse livro temos um protagonista completamente antagonista de sua própria história. Confesso que pra mim, particularmente, foi muito difícil gostar do Hugo. Ele é um menino todo esquentadinho, que não leva desaforo pra casa e tem um “Complexo de Porco-Espinho”, como seu próprio professor o classifica. Resumindo, Hugo não tem nada de santinho, ele é só mais um menino que cresceu vendo pessoas sofrerem - e morrerem - sem nenhum auxílio (de Deus ou de quem quer que seja) e todos podemos imaginar o que isso causou. As circunstâncias que levam Hugo até a escola de magia “Nossa Senhora do Korkovado” são praticamente nosso guia durante toda a história, e por mais que ele tente fugir delas, no fim ele é obrigado a enfrentá-las.

Na escola de Hugo encontramos um ambiente tipicamente brasileiro, que inclui todo o nepotismo, incompetência e ignorância que vemos em qualquer outra escola pública do nosso país. Mas no meio disso tudo, Hugo consegue encontrar quatro figuras que estão dispostas a enfrentar todo esse sistema e lutar pelo que é certo. Esses são os pixies, mais precisamente: Vinícius Y-Ipiranga (Viny), Caimana Ipanema, Ítalo Twice (Capí) e Virgílio OuroPreto (Índio). Esses quatro representam a revolução. São eles que ajudam Hugo a abrir seus olhos e questionar o que realmente é certo, sem contar que são um dos meus personagens favoritos e também se tornam grandes amigos de Hugo. Eu adorei a figura dos pixies e tudo o que eles representam, e acho que nos dias de hoje nosso mundo precisa de mais pixies!
No decorrer da história acontecem muitas coisas, e vemos nosso heroi/anti-heroi cometer erros teríveis várias vezes, o que só mostra o quão humano ele é. Acho que uma das coisas que mais impressiona no livro é que, mesmo se tratando de uma escola de magia e bruxaria, o tema principal tratado nele é a própria natureza humana. A importância da amizade, as chagas que uma pessoa carrega e as formas que isso afeta a cada um, até onde nós iriamos para salvar aqueles a quem amamos? Essas e outras perguntas nos são apresentadas de uma forma muito tocante, intercalada com unicórnios, feitiços e uma escola localizada dentro do morro do Corcovado!
Gostei muito da forma como o Rio é retratado, e também o morro do Dona Marta. Percebemos nitidamente o desempenho da autora em registrar cada detalhe, nem todos coisas bonitas de se ver, e retratá-los perfeitamente da ótica de um garoto de treze anos. O livro deixa claro seu objetivo de recriar o mundo que J.K. Rowling uma vez retratou, descontruir esse mundo e transformá-lo em algo mais próximo de nós, valorizando a nossa cultura, e por maiores que sejam as semelhanças, nunca poderia se dizer que A Arma Escarlate é um “plágio” aos livros da autora britânica. A própria autora faz algumas referências (algumas muito engraçadas) ao modo de vida dos bruxos europeus que J.K. descreve em seus livros, mas eles apenas nos mostram o quão diferente são os dois mundos. A valorização da cultura, realmente, é um dos melhores pontos do livro.
Resumindo, através de suas 549 páginas, Renata consegue nos introduzir à seu mundo, tão diferente da plataforma 9/4 que um dia conhecemos, e com isso somos seduzidos novamente e compelidos a descobrir esse mundo novo junto com Hugo.
Se você é um fã de Harry Potter como eu, ouça meu conselho e leia o livro! Tenho certeza que nada nele irá te desapontar. E para aqueles que entortam o nariz até hoje quando ouvem falar de Harry Potter e não querem nem saber de livros sobre escolas de magia, se preparem para se surpreender com um mundo novo que tenho certeza que muitos de nós gostaríamos de fazer parte!
Harry Potter brasileiro que nada! Hugo Escarlate tem sua própria identidade e está pronto para mostrá-la!

Agora vamos às nossas notas:
A capa é nota 10! Representa todo o mundo de Hugo, que mesmo parecendo pequeno, é praticamente todo o mundo que ele conhece, e é lá que ele descobre a si mesmo e seus limites.


O conteúdo também é 10, como não poderia deixar de ser! A história é muito bem estruturada, todos os personagens são bem descritos, tem personalidades muito distintas, o que sempre complementa os diálogos e nos apresentam novos pontos de vista. Meu personagem favorito é Capí, e tenho certeza de que todos que leram (ou que um dia lerão!) não discordarão de mim.



A Diagramação é 8,5, porque mesmo as páginas brancas não interferindo em nada na leitura, a letra e o design do começo dos capítulos é bem minimalista.


Não pensem que acabou! Conheçam agora um pouco sobre a nossa autora! Ela inclusive é parceiro do blog, e todos nós adoramos a Renatinha!



Leitora voraz desde a infância, Renata Pacheco Ventura sempre soube que seria escritora. Nascida no Rio de Janeiro, em 1985, morou por quatro anos nos Estados Unidos, onde começou a cursar Comunicação Social na Universidade de Houston. Formando-se em Jornalismo pela PUC-Rio, escreveu a dissertação “100% Off – O Manual do Colonizado”, onde analisou a colonização cultural do brasileiro – tema que volta a abordar em “A Arma Escarlate”.
Trabalhou por três anos fazendo pesquisa e roteiro para cinema documentário antes de decidir se dedicar exclusivamente a seu primeiro livro. Nesse meio tempo, implementou uma forma de interação com seus leitores, em que eles podem conversar virtualmente com alguns dos personagens do livro através de redes sociais; fazendo-lhes perguntas, batendo um papo descompromissado ou até mesmo tentando descobrir segredos da trama. Seu objetivo como escritora é contar histórias que divirtam e, ao mesmo tempo, façam o leitor refletir sobre si mesmo e sobre o mundo a sua volta.


E caso você queira conhecer mais sobre a obra, a autora, ou até mesmo bater um papo com os personagens, passe no site do livro! No endereço Escarlate.net você encontrará todas essas informações, além do blog pessoal dos pixies, o Pixies no Controle! Junte-se a resistência!
Além disso, nós ainda podemos bater papo com os personagens! Alguns deles tem perfil no facebook, e é só conversar com eles por lá! Adorei essa estratégia da autora, e eu mesmo já conversei com meu personagem preferido *-*


Espero que todos tenham gostado! Comentem e deem suas opiniões sobre esse livro maravilhoso, e nos vemos logo, logo como uma entrevista com a autora!

Beijões pra todos!




11 comentários:

Gih Pinheiro disse...

Não conhecia, parece ótimo mesmo!
Dica anotada!!
Beijos

http://kastmaker.blogspot.com/

Mireliinha disse...

Não conhecia o livro e acho que nem faz muito meu estilo! Mas parabéns pela resenha! :D

:*
Mi
Inteiramente Diva

Jessica Asato disse...

Aaah que bacana! Eu lembrei daquela música, do clip da banda "O rappa": a minha alma está armada e apontada para a cara do sossego...
Sei lá, a resenha me lembrou o clip, rs. E a fonte usada na capa me lembrou Resident Evil, pensa??
Hehehe!

O livro parece muito bom, parabéns pra autora!
=*

Lilian Sinfronio disse...

Que resenha mais perfeita Ismael *.*
Você arrasou demais, porque se eu visse só a capa e a sinopse do livro não me interessaria, mas com essa resenha inspirada e cheia de tudo de lindo sobre o livro me deu mega vontade de ler ^^
Não é só mais um plagio de Potter, mas uma estória de bruxos com muito de realidade brasileira.

Adorei.

Me manda tb? Hohohoh quem nao chora nao mama hauahuaa

tá, tá, autografado não PODE kkkk

Bjokas.

GLAUCILENEHORUS disse...

ola Ismael que resenha empolgante moço eu não conhecia o livro mas deu uma vontade de conhecer ,meus parabéns, a capa é diferente muito bonita mesmo. Abraços glau

Anônimo disse...

Eu AMOO esse livro, meu favorito! ^^
Robson Coelho

Nizete disse...

UAU!
Foi uma das melhores resenhas que li, os detalhes e expôs sua opinião de forma esclarecedora e minuciosa, não deixando de classificar o livro como único, e não uma imitação como foi classifica pelo mundo virtual.
É exatamente o que esse livro é: ÚNICO.
Aconselho a todos que ainda tem um fiapo de dúvidas a ler sua resenha, acho que depois disso, será o suficiente pra convencer até os menos fãs do tema.
Parabéns!

Ni
ciadoleitor.blogspot.com

UMOblog disse...

Yo tive o prazer de entrevistar a Renata no meu blog e o livro dela é otimo. Parabéns pela resenha.
Depois veja a entrevista http://umomt.blogspot.com.br/2012/03/batatas-fritas-forever-23032012.html ^^

Beatriz disse...

Sou professora de Português em São Paulo e apaixonada por Harry Potter. Cheguei a este site pela própria autora, Renata Ventura, que postou em meu mural no Skoob. Além de ter me interessado pelo livro, fiquei surpresa ao ver que o resenhista é um garoto de 16 anos. Ismael, parabéns pela resenha! Seu texto está excelente! Continue lendo e escrevendo, duas coisas que facilmente deixamos de lado quando crescemos e adquirimos compromissos de "gente grande".
Um abraço!

Mona Joe* disse...

Oi a Renata me pediu pra da uma passada aqui,amei a resenha sobre o livro dela,quero muito ler,da uma passada no blog da minha amiga,em que eu sou colunista? segui a gente la

http://pagesflying.blogspot.com.br/
beijos parabens pelo blog adorei

Anônimo disse...

Does your blog have a contact рage? I'm having trouble locating it bսt, Ӏ'd likje to sеnd ƴou aո e-mail.
I've got some creatіve ideas for your blοg you
might be interested in hearing. Eіther way, great site aոd I look forward to seeing it
deеlop over time.

My blοg :: gossipgirlsocial.com ()

Postar um comentário

Obrigada por comentar, Caçador(a)!
Volte Sempre!

Para postar links nos comentários, utilize o espaço correto:
1- Clique em Comentar Como:
2- Selecione a opção Nome/Url
3- Em nome, coloque o seu nome ou nick das redes sociais.
4 - Em Url, coloque o link do seu blog ou página das redes sociais.

Pronto, assim você comenta e ainda coloca os seus dados, sem fazer spam.

Para dúvidas, sugestões ou solicitação de informações, encaminhe email para: c.delivros@gmail.com

Caçadora de Livros. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design